2.2.06

Porque é que eu não desisti?

Detesto o Curso que tirei.

Detesto as salas de audiências, os Decretos-lei, os Regulamentos, os Artigos, as Oficiosas, a Legislação, os Códigos...

Odeio falar de Direito, de leis, de regras...De toda essa parafernália toda que eu aturei durante 5, não 7 anos da minha vida...


O que leva uma pessoa com todas as faculdades mentais saudáveis a começar um Curso, por volta do 2.º ano aperceber-se que não gosta de nada daquilo mas mesmo assim ir até ao 5.º ano, não ter férias nesse ano para começar logo um Estágio não remunerado, inscrever-se nas aulas da Ordem, assistir a audiências, fazer oficiosas e ainda fazer a Agregação à Ordem do Advogados?!

Não sei.


Acho que foi uma tremenda cobardia da minha parte que vou pagando com juros cada vez mais elevados.

Enquanto as outras pessoas tentam encontrar um emprego na sua área, eu tento encontrar um emprego fora da minha área...É tão ridículo que até dói!

Explicar este meu ódio à profissão e à Classe é missão impossível...decidi escrever sobre isto...pode ser que me encontre e encontre a razão subjacente a este polvo que me tolhe o juízo que é o Direito.

Por mais que me custe admitir, e sinto até vergonha por isso, não me quero actualizar em termos legais, não quero estudar leis, não quero pesquisar legislação, não quero saber de actualizações legislativas, nem de revogações, nem de prazos, nem de regras gerais, nem especiais nem excepcionais. Odeio com todas as minhas forças que me peçam opiniões sobre questões legais, sobre soluções, sobre prazos, sobre...Direito.


Detesto folhear os Códigos.

Detesto consultar o Diário da República.


Quando trocam impressões comigo sobre questões legais só irão obter de mim duas ou três respostas possíveis. “Ah.”, “Pois.”, “É a vida.”.


Já nem me lembro da maior parte dos contratos que estudei, do regime do cheque e da letra, dos anos de prisão que dá fazer isto ou aquilo...nem me quero lembrar.
Quero lá saber!
Como se de 1995 a 2002 tivesse existido um vazio na minha vida.


Não faço ideia o que me levou a detestar tanto o Direito.

Quando com 18 anos entrei para a Faculdade, estava convicta que era esse o Curso que queria tirar e para o qual estava talhada.
Ainda pensei em tirar Relações Públicas, Comunicação Social...qualquer coisa relacionada com relações interpessoais...mas não...Com a história do desemprego que se avizinhava certamente, ingressei em Direito. Achei que se tirasse os outros cursos mais dificilmente conseguiria ser colocada onde quer que seja...Afinal, os Relações Públicas que conhecemos são sempre filhas de pessoas do pretenso Jet-Set, tias, benzocas, Titis, Lálás, Pimpinhas ... O curso não me serviria para nada...Comunicação Social “idem,idem,aspas,aspas”...pelo menos em Direito, poderia desenvolver-me mais em termos culturais e é um Curso bastante abrangente, poderia trabalhar por conta própria, e eu até gostava de estudar...

Pois...

O curso até é giro...se não tivermos que o aplicar...se o encararmos como uma colónia de férias ... uma coisa passageira que não implica que passados 5 anos tenhamos que fazer o que quer que seja com ele.

Insólito não?!



O que é certo é que não desisti em tempo, acabei aquela trampa toda e ainda tive o desplante de fazer a Agregação à Ordem dos Advogados. Mas não quero ser advogada...Uma miséria.


Apetecia-me gritar ”Hello! Eu tirei um curso q não gosto...quero fazer outra coisa qualquer...”...Mas também nesta altura do campeonato não sei o quê...


Poderia tirar outro Curso, mas não só são caros como teria que ser à noite...5 anos a estudar ao serão, ir para Lisboa à pressa...Sou casada...quero estar em casa com o meu marido...Quando estamos juntos? Quando jantamos? Estarei errada? Estou a ser egoísta? E se quiser ter filhos, como é? Já não vou para nova....


Tudo isto está a dar cabo da minha cabeça...

Isto porque faltei a um concurso para juristas...mas eu nem quero ser jurista!!! Mas o Direito é tudo o que tenho...Vou mesmo ter que começar a estudar porque as oportunidades futuras vão todas andar à volta do Direito...


Estou triste em relação ao meu futuro que é já amanhã.

Sinto-me desorientada como uma adolescente de 15 anos.

3 comentários:

Rita disse...

Tens ódio a que classe? É que se te estás a referir à classe dos advogados, EM QUE ME INTEGRO, considero isso uma ofensa pessoal.

Bem, falando a sério, é verdade que ninguém deveria ser obrigado a fazer o que não quer ou não gosta. Nem sempre a vida acompanha os nossos desejos e acabamos por ter que recorrer a determinados caminhos que nunca pensámos ou, sequer, desejámos. Tenho a certeza que a tua vocação está, certamente, ligada a alguma coisa relacionada com as artes e criatividade. Aposta nisso e vencerás com toda a certeza. "Quais direito, quais função pública"!
Beijinhos
Rita

Anónimo disse...

És uma amigona minha linda!!!!!!!!!!Os teus filhotes vão ser sempre super prque têm uma mamã como TU!Olha, não era ofensa nem a ti nem à classe...acho que quem é bom no que faz merece tudo (seja advogado, padeiro ou jardineiro) e tu és excelente minha linda em tudo o que fazes!

Mts Beijos para vcs...4!

Alda

Ch disse...

olá tenho 21, moro no Brasil, li seu comentário a respeito do direito, agradeço muito por ter escrito tal crítica e ter sido muito sincera.

Me interessei muito pois estou para escolher um curso e estava pensando em fazer direito...eh...realmente odiaria fazê-lo...leis é muito chato! Todas as formalidades é uma porcaria!

Antes 5 anos úteis do que estragados!

adorei seu blog continue assim falando sinceramente DOA A QUEM DOER SEJA SEMPRE VC MESMO